RODRIGO NUNES

Numa entrevista, concedida ao site oficial do clube, o Rodrigo contou-nos como foram os últimos anos ao serviço do clube e os momentos mais importantes no seu percurso.

Com que idade começaste a jogar?

Eu comecei a jogar futebol com 5 anos.

Qual foi o motivo para seres guarda redes, nunca pensaste em mudar de posição?

No início do meu percurso comecei como avançado, mas fui para a baliza pela primeira vez quando no início de um jogo a minha equipa não tinha guarda-redes, e a partir daí comecei a gostar de jogar na baliza.

O que mais gostas e o que menos gostas de fazer nos treinos?

Num treino o que eu mais gosto de fazer é jogo entre a equipa, e o que menos gosto de fazer é o aquecimento.

Para ti como deve ser o treinador ideal?

Para mim tem de ser um treinador que brinque com os atletas, mas quando é para trabalhar que seja rígido nos exercícios para que o resultado seja o melhor possível.

A aprendizagem mais importante que retirei de um treinador até hoje foi “nunca olhes para trás!”, isto significa que não posso deixar que os erros do passado me afetem, tenho que aprender a lição e de cabeça erguida trabalhar para melhorar a cada jogo.

Como tem sido para ti estes últimos anos ao serviço do clube?

Nos últimos anos no clube tive muitos bons momentos tais como: ter sido campeão, ter ganho várias taças em torneios, ver o clube a expandir-se com novas modalidades, e acompanhar o progresso dos níveis estruturais.
Mas também tive momentos menos bons como várias lesões musculares, e não ter participado em muitos jogos na época que tinha sido chamado à seleção distrital.

Qual foi o momento mais marcante no teu percurso pelo clube?

São quatro os momentos que destaco como mais importantes no meu percurso pelo clube:

1º – Ter sido chamado ao torneio Tejo Cup, porque reparei que todo o esforço que fiz ao longos de todas essas épocas não foram em vão. Terminamos o torneio em 3º lugar;

2º – Ter sido campeão de 2º nível de Infantis após um jogo muito complicado, foi contra uma equipa muito forte e que nos fez lutar até ao fim pelo resultado;

3º – Ter sido chamado ao treino da seleção distrital, mas infelizmente devido a pandemia não houve o torneio Lopes da Silva;

4º – Participar no Gafanha Cup, onde passamos 3 dias muito bons em equipa e terminamos no 3º lugar.

Para quem não conhece o Rodrigo, como te descreverias como jogador?

Como um jogador que é bom entre os postes e que interage muito com os seus colegas.

Como tens vivido esta época tão atípica, com a impossibilidade de jogar e mesmo de treinar?

Tem sido muito difícil, pois é uma coisa que adoro fazer e de um momento para o outro parou tudo e estamos confinados. Tenho muitas saudades dos meus colegas, dos treinos, do nervosismo em dias de jogo etc., mas a única coisa que podemos fazer para combater a pandemia é mesmo ficar em casa e não quebrar as regras impostas pela DGS.

Esperando que na próxima época, o futebol regresse à normalidade, que objetivos traças para o que aí vem?

Na próxima época sou juvenil de 1º ano, e maior objetivo que traço é ajudar a equipa a subir de divisão.

Quem é o teu maior ídolo no futebol?

No futebol o meu maior ídolo é o Cristiano Ronaldo, mas na minha posição é o Manuel Neuer.

Para ti, qual o melhor 11 que já viste jogar?

O melhor onze que já vi jogar: Manuel Neuer, Sergio Ramos, Virgil van Dijk, Trent Alexander-Arnold, Alejandro Grimaldo, Kevin De Bruyne, Paul Pogba, Luka Modrić, Mohamed Salah, Lionel Messi, e o Cristiano Ronaldo.

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter