DIOGO VERDETE

Numa entrevista, concedida ao site oficial do clube, o atleta falou sobre a adaptação ao campeonato sénior e o momento mais marcante no seu percurso pelo clube.

Com que idade começaste a jogar?

Comecei a praticar futebol com 9 anos.

Qual a posição em campo que te sentes mais confortável?

Eu sou um jogador muito versátil, tenho várias posições que gosto de jogar, mas a principal é a extremo.

O que mais gostas e o que menos gostas de fazer nos treinos?

Gosto de tudo no geral, mas gosto mais dos treinos que incluam bola, finalização é o meu preferido! O que gosto menos talvez seja condição física (risos) apesar de ser dos mais importantes.

Para ti como deve ser o treinador ideal?

Para mim o treinador ideal tem que estar sempre disposto a ajudar e puxar pela equipa em todos os momentos da época, tem também que ser muito rígido e perfeccionista. Falando de futebol em si, gosto de um treinador que seja forte taticamente.

Como foi a adaptação ao escalão sénior?

Foi um início de época complicado devido à adaptação ao futebol sénior mas com o passar do tempo sinto que melhorei bastante, grande parte devido à passagem para a equipa B, pois passei a ter mais minutos de jogo onde podia demonstrar o meu valor.

Em relação à adaptação à equipa, foi muito agradável, acolheram-me todos muitíssimo bem e estou muito feliz pela ligação que o grupo tem.

Qual foi o momento mais marcante no teu percurso pelo clube?

Desta época o momento mais marcante para mim foi o meu primeiro jogo conjugado com uma vitória contra o Alpiarça. Entrei em campo a faltar cerca de 30 minutos do término da partida, ficámos a jogar com menos 1 e ainda marcámos um golo, foi a primeira vitória de muitas que ainda vamos ter e foi belíssima.

O momento mais marcante que tenho neste clube foi sem dúvida o jogo contra o Vilarense fora a contar para os Oitavos da taça do Ribatejo.

Perto dos 90 minutos estávamos a perder 2-0, fizemos 3 golos em cerca de 7 minutos a jogar com menos 1 (senão me engano). Fiz a assistência para o primeiro golo da reviravolta, lembro-me tão bem quando fizemos o 3° golo eu e o Rui Bernardo sozinho a festejarmos para as bancadas já com aquela lágrima da emoção no olho…

Entretanto mesmo a acabar o jogo sofremos golo de penalti (risos), agora é engraçado mas na altura não foi assim muito (risos), enfim acabamos por ir a grandes penalidades e vencemos o jogo!

Sempre que falo deste jogo surgem memórias muito boas e fico arrepiado.

Como tens vivido esta época tão atípica, com as constantes paragens no campeonato?

Sem dúvida que é muito complicado para nós jogadores haver tantas paragens, embora tenhamos treinos programados toda a gente sabe que é mais rentável os treinos normais do que treinar em casa.

Mesmo assim somos uns sortudos por poder competir, e temos que agradecer à direção pela oportunidade de criarem uma equipa B. Felizmente vão retomar os campeonatos e vamos poder voltar a fazer o que mais gostamos.

Para quem não conhece o Diogo como te descreverias como jogador?

Eu sou um jogador que quer ganhar sempre, sou muito raçudo, trabalhador e versátil como já tinha referido. Tanto nos treinos como nos jogos tento sempre dar o melhor de mim e acho que sou um bom líder dentro de campo.

Esperando que na próxima época o futebol regresse à normalidade, que objetivos traças para o que aí vem?

O meu maior objetivo é evoluir a cada dia que passa, tornar-me melhor jogador e melhor pessoa, o resto vem por acréscimo do meu trabalho.

Quem é o teu maior ídolo no futebol?

O meu maior ídolo é sem dúvida o Cristiano, acho que é um exemplo para qualquer pessoa, o seu mindset, a forma como ele trabalha, tudo mesmo.

Ele quer ser o melhor em tudo e acho que essa é a melhor forma de pensar, seja para o futebol ou para qualquer outra coisa.

Para ti, qual o melhor 11 que já viste jogar?

O melhor onze que já vi jogar foi: Rui Patrício, Cédric, José Fonte, Pepe e Raphael Guerreiro, João Mário, Gonçalo Gonçalves, Adrien, Renato Sanches, Nani, e Cristiano Ronaldo

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter